sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Assim como em todo estado carnaval com muita chuva em Jandaíra, somente ontem foi registrado 80 mm


Assim como em todo estado o carnaval foi de muita chuva em Jandaíra. De acordo com registros do pluviômetro no Assentamento Guarapes, entre o dia 10 e 14 foi registrado 77 mm. 

Já ontem, 15, no Assentamento Guarapes foi registrado 26 mm e na comunidade do Cabeço (Sitio Pitangas da Jandaíra), 80 mm. 

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Diretoria do STR Jandaíra firma parceria para mobilização do Projeto Mulheres Flor do Campo




A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Jandaíra (STR Jandaíra) estiveram em reunião nesta manhã (07), para discutir e celebrar parceria com a Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica do RN (ABMCJ/RN). A parceria proporcionará uma série de ações do que desrespeito ao apoio e defesa dos direitos das mulheres do município de Jandaíra via o “Projeto Mulheres Flor do Campo”, sobre tudo das mulheres agricultoras familiares.

Estiveram presente a presidente da Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica no RN, Doutora Andreia Nogueira, Doutora Rossana Ferreira e Doutor Evandro Borges, também advogado.

ABMCJ

A Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica é uma organização não governamental de caráter cultural, sem fins lucrativos, fundada em Belo Horizonte (MG) no ano de 1985. São mais de três mil associadas, provindas de cargos e ocupações de natureza jurídica – advogadas, ministras , magistradas, promotoras de justiça, procuradoras, professoras, universitárias, delegadas, entre outras.

É vinculada por adesão voluntária, à Fédération International des Femmes des Carrières Juridiques (FIFCJ), sediada em Paris, organização internacional não governamental que se inspira nos princípios inscritos na Carta das Nações Unidas, tem estatuto consultivo junto ao Conselho Econômico e Social da ONU e à FAO, desde 1961, colabora com a UNESCO, a UNICEF, a UNIFEM, tem inscrição no Registro Especial da OIT.

É por muitos considerada a maior ONG feminina do planeta, entre outros motivos por filiar associações nacionais como a ABMCJ e membros individuais em 79 países na Europa, América, Ásia e África.




A união e a persistência geram resultados, lombadas são construídas em Jandaíra e no Assentamento Guarapes


A persistência do mandato do vereador Tércio Câmara com o apoio e a soma de vários esforços dentre eles, da prefeitura municipal, de comerciantes locais, da comunidade, dos demais vereadores e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) fez desenterrar as lombadas físicas do perímetro urbano de Jandaíra e nas imediações do assentamento Guarapes.

Esses dois trechos já foram palco de vários acidentes com vítimas fatais deixando assim muitas famílias jandairenses órfãs. O vereador Tércio Câmara vem articulando e caningando os entes envolvidos, inclusive o DNIT desde 2017, muita gente não acreditava, mas prometeu, lotou e agora há a ação de concreto. Sem falar que no perímetro de Jandaíra está localizada as três maiores escolas do município, ou seja, além dos acidentes ocorridos ano passado graças a Deus não aconteceu muito pior.

Já no Assentamento Guarapes a última vítima fatal interou o saldo de 2017 e claro é um trecho histórico de vários acidentes e mortes e quase todos está ligado a imprudência por alta velocidade.

O vereador aproveitou pelas redes sociais para agradecer a prefeitura na pessoa da prefeita Marina Dias pelo apoio, aos comerciantes, aos demais vereadores e ao DNIT.

De minha parte como cidadão parabenizo ao vereador e a todos envolvidos, melhor que fosse uma lombada eletrônica, mas já que não foi possível há de se reconhecer o esforço de todos pelo que foi possível. Embora alguns ainda ache estranho e se envolvam em acidentes, como aconteceu no primeiro dia de ontem, mas há sinalização e é dever de qualquer condutor respeitar um perímetro urbano até mesmo sem sinalização, quanto mais sinalizado igual ficou as referidas lombadas e os trechos.

Finalizo dizendo o seguinte, costumo dizer que o gestor ou qualquer figura pública quando houver de pecar, a preferencia que seja por excesso, ou seja, fazendo ao povo, pior é a omissão quando se pode fazer alguma coisa e por essa omissão as vezes muitas vidas poderiam e podem serem salvas e essa ação tem como resultado exatamente isso, por isso parabéns a todos e a todas.

PERÍMETRO DE JANDAÍRA





ASSENTAMENTO GUARAPES/INCRUZILHADA










Roberto Requião: "Há tempo que a ciência e os fatos da vida comprovam que nada é por acaso".

No entanto, embora a ideia medieval da abiogênese, a “geração espontânea”, seja a representação paradigmática daqueles tempos trevosos, ainda hoje a proposição do espontaneísmo resiste e é amplamente aceita, quando se trata da política ou mesmo da economia.

Diariamente, a mídia empresarial espalha a intrujice de que do acúmulo de lixo nascem insetos e ratos, que é possível originar vida de matéria não viva.

Se Humberto Eco foi assertivo ao dizer que a internet liberou infindáveis legiões de néscios, ele esqueceu de acrescentar à turma os comentaristas e ditos analistas de política e economia que infestam as televisões, rádios e jornais da mídia comercial e monopolista.

É notável a incapacidade de raciocinar, de somar dois com dois.

Gramsci dizia que não existe o canalha absoluto, que o canalha absoluto é uma criação ficcional.

Essa generosidade do filósofo que sofreu no corpo debilitado os horrores do fascismo sempre me impressionou.

Então, se concedemos que nem todos sejam canalhas plenos, integrais, resta outra suposição: a burrice córnea.

A ceratina penetrou de tal forma na cabeça dessa gente que as tornou duras, resistentes, impermeáveis à verdade dos fatos.

Se, ato contínuo à ampliação de nosso mar territorial de 12 para 200 milhas marítimas, em 1970, sob Garrastazu Médici, os norte-americanos movimentam sua IV Frota — por mais que o governo militar fosse um aliado incondicional– não o fazem para competir com os franceses na pesca da lagosta.

Se, sob Ernesto Geisel, em 1975, de repente, os Estados Unidos tornam-se guardiões dos direitos humanos e pressionam a ditadura brasileira, não é porque a tortura, os assassinatos, o desaparecimento de opositores os preocupassem, e sim os acordos nucleares do Brasil com a Alemanha.

Mais recentemente, quando os norte-americanos grampeiam a presidente Dilma, monitoram suas conversas, perscrutam suas decisões e controlam sua comunicação com ministros, auxiliares e políticos, não estão à procura da receita de sua dieta para emagrecer.

Quando os serviços de espionagem dos Estados Unidos invadem, vasculham, devassam todas as informações da Petrobrás, não são os Cerveró, os Duque, os Paulo Roberto Costa, os Youssef, os Barusco ou os Sérgio Machado que os mobilizam.

A corrupção é um segredo de polichinelo, o pré-sal o prêmio.

Se, antigamente, a Escola das Américas era o centro formador dos torturadores, dos assassinos estatais, dos sabotadores dos governos populares e nacionalistas, hoje, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, em cooperação com o FBI, a CIA, a NSA, encarrega-se de seduzir, domesticar e abduzir juízes, procuradores e policias.  E políticos é claro.

A produção de cabos Anselmo não foi interrompida, sofisticaram-se os meios e os métodos. Ao invés dos sicários a soldo, temos os heróis de almanaques.

Os super-juízes, os super-procuradores, e, como contrafação, já que nenhuma exageração escapa do ridículo, temos o japonês da federal. E o coreano do MBL.

Quando o presidente Lula sanciona, em 2010, a Lei da Ficha Limpa e a presidente Dilma, em 2013, assina a Lei das Organizações Criminosas, disciplinando a delação premiada; quando se desequilibra a harmonia entre os poderes, e produz-se a hipertrofia do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal; quando o presidencialismo de coalizão cede a um Parlamento que se transformou em mandalete dos financiadores de campanha; quando o presidente Lula coloca no Banco Central e no Ministério da Fazenda homens de confiança do mercado financeiro; quando a presidente Dilma, na crise de 2013-2014, adota políticas neoliberais, aprofundando a crise; quando tanto um como outro presidentes constrangem-se diante das pressões da mídia monopolista e comercial e fogem de adotar aqui as mesmas legislações que os norte-americanos e alguns países europeus  adotaram para democratizar os meios de comunicação; quando tudo isso somado produz um salto qualitativo, temos o golpe e seu corolário de horrores: a alienação da soberania nacional, a entrega do petróleo, dos minérios, das terras, da água, a destruição da República Social, a sabotagem da Petrobrás, as privatizações. E o aceleramento da marcha da desindustrialização e da precarização da ciência e da tecnologia.

Na divisão internacional do trabalho é o papel que nos reservam: celeiro do mundo, exportador de grãos e de matérias primas minerais, fornecedor de petróleo. E de água! Afinal, vimos em Davos a Nestle e a Coca- Cola renovarem a cobiça pelo aquífero Guarani, uma das maiores reservas de água doce do planeta.

Senhoras e senhores senadores.

Esses são os fatos da realidade. Essa é a verdade que os fatos revelam, por mais que o cinismo e a estultícia da grande mídia tentem perverter e adulterar a natureza das coisas.

Como antídoto para o massacre diário do discurso antinacional, antidemocrático e antipopular que se estabeleceu no país, quero oferecer um texto do professor de Filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo, Maurício Abdala, publicado no “Le Monde Diplomatique”.

Os 13 pontos do professor Abdala são uma leitura necessária para quem ama o Brasil e acredita que ainda é possível vencer esses tempos tão sinistros da nossa história.

Vamos ao contraveneno às sandices daqueles que acreditam que do lixo que produzem é possível brotar alguma vida.

Vamos lá.   

1 – O foco do poder não está na política, mas na economia. Quem comanda a sociedade é o complexo financeiro-empresarial com dimensões globais e conformações específicas locais.

2 – Os donos do poder não são os políticos. Estes são apenas instrumentos dos verdadeiros donos do poder.

3 – O verdadeiro exercício do poder é invisível. O que vemos, na verdade, é a construção planejada de uma narrativa fantasiosa com aparência de realidade para criar a sensação de participação consciente e cidadã dos que se informam pelos meios de comunicação tradicionais.

4 – Os grandes meios de comunicação não se constituem mais em órgãos de “imprensa”, ou seja, instituições autônomas, cujo objeto é a notícia, e que podem ser independentes ou, eventualmente, compradas ou cooptadas por interesses. Eles são, atualmente, grandes conglomerados econômicos que também compõem o complexo financeiro-empresarial que comanda o poder invisível.

Portanto, participam do exercício invisível do poder utilizando seus recursos de formação de consciência e opinião.

5 – Os donos do poder não apoiam partidos ou políticos específicos. Sua tática é apoiar quem lhes convém e destruir quem lhes estorva. Isso muda de acordo com a conjuntura. O exercício real do poder não tem partido e sua única ideologia é a supremacia do mercado e do lucro.

6 – O complexo financeiro-empresarial global pode apostar ora em Lula, ora em um político do PSDB, ora em Temer, ora em um aventureiro qualquer da política. E pode destruir qualquer um desses de acordo com sua conveniência.

7 – Por isso, o exercício do poder no campo subjetivo, responsabilidade da mídia corporativa, em um momento demoniza Lula, em outro Dilma, e logo depois Cunha, Temer, Aécio, etc. Tudo faz parte de um grande jogo estratégico com cuidadosas análises das condições objetivas e subjetivas da conjuntura.

8 – O complexo financeiro-empresarial não tem opção partidária, não veste nenhuma camisa na política, nem defende pessoas. Sua intenção é tornar as leis e a administração do país totalmente favoráveis para suas metas de maximização dos lucros.

9 – Assim, os donos do poder não querem um governo ou outro à toa: eles querem, na conjuntura atual, a reforma na previdência, o fim das leis trabalhistas, a manutenção do congelamento do orçamento primário, os cortes de gastos sociais para o serviço da dívida, as privatizações e o alívio dos tributos para os mais ricos.

10 – Se a conjuntura indicar que Temer não é o melhor para isso, não hesitarão em rifá-lo. A única coisa que não querem é que o povo brasileiro decida sobre o destino de seu país.

11 – Portanto, cada notícia é um lance no jogo. Cada escândalo é um movimento tático. Analisar a conjuntura não é ler notícia. É especular sobre a estratégia que justifica cada movimento tático do complexo financeiro-empresarial (do qual a mídia faz parte), para poder reagir também de maneira estratégica.

12 – A queda de Temer pode ser uma coisa boa. Mas é um movimento tático em uma estratégia mais ampla de quem comanda o poder. O que realmente importa é o que virá depois.

13 – Lembremo-nos: eles são mais espertos. Por isso estão no poder.

Senhoras e senhores senadores. Brasileiros.

Os pressupostos estão aí. Mas essa compreensão incisiva da realidade obriga-nos um passo seguinte: a ação.          

Depois que Hitler invadiu a França, despojando-a de sua soberania, anulando-a como nação, Charles de Gaulle chamou seus compatriotas à resistência, acima dos interesses de cada um. O que estava em jogo era a existência do país, seus valores, suas tradições, suas crenças, sua identidade.        

Até mesmo os contrabandistas que tão bem conheciam as fronteiras da França, até eles foram convocados à grande tarefa de libertação do país.

Não estou insinuando que, no caso da grande tarefa de libertação do Brasil, até corruptos devam ser convocados, mesmo porque boa parte deles estão de papo para o ar, refestelados nos milhões com que foram premiados pela delação.

Convoco os homens e as mulheres que amam este país, que abominam a corrupção e o entreguismo.  

Que rejeitam ser escravos do dinheiro; que não aceitam a prevalência do capital financeiro sobre o capital produtivo.

Que não querem ver esse país tão rico transformado em uma plantation colonial, a ofertar ao mundo desenvolvido grãos, minérios, petróleo, terras e água.

Que não querem ver os nossos trabalhadores transformados em mão de obra semiescravizada, para o desfrute global.

Com Shakespeare e Henrique V, antes da batalha de Agincourt, encerro dizendo: aqui estão os brasileiros que deviam estar. E os que não estiverem vão se arrepender até o fim de suas vidas não terem estado conosco.

Nada temos a perder, pois o que tínhamos está sendo surrupiado, desbaratado e vendido a preço de banana pelos entreguistas do Brasil, com a prestimosa colaboração de alguns tolos que se arvoram em heróis da pátria."

Roberto Requião, Senador pelo PMDB/PR

Parlamentares iniciam o ano legislativo com mobilizações contra a reforma da previdência



No retorno das atividades legislativas, a bancada da oposição e aliados organizaram, nesta terça-feira (6), um ato contra a reforma da previdência e em defesa da democracia. O ato reuniu trabalhadores, centrais sindicais e parlamentares de diversos partidos.

Em nome da bancada do PT no Senado, a senadora Fátima Bezerra afirmou que a proposta, se aprovada, ampliaria as desigualdades sociais no país. "O ato foi grandioso em termo de representatividade, de mobilização e de resistência contra a reforma da Previdência. Nós sabemos que o golpe parlamentar de 2016 continua em vigor no país, com ataques a democracia e retirando direitos da classe trabalhadora. Mas, felizmente a mobilização e a resistência estão falando mais alto em todo o país. Nosso grito é de muita luta e de resistência”, disse.

Para a senadora potiguar, a reforma da previdência fere um direito sagrado oferecido a classe trabalhadora, que é o direito a uma aposentadoria justa e digna. “A CPI da previdência mostrou que não existe déficit na previdência. Os problemas que apresenta a previdência são frutos de sonegações de impostos e das desonerações. É precisar combater os sonegadores e banqueiros que são os principais devedores da previdência social. O governo tem é que divulgar a lista dos sonegadores e devedores da previdência, e não colocar as dificuldades nas costas dos servidores públicos”, defendeu.

Além da senadora Fátima Bezerra, o Rio Grande do Norte estava representado pela deputada Zenaide Maia.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

O dinheiro que o deputado Mineiro gastou com combustível valeu e vale tantas voltas possa dar ao RN e antes fosse pelo Brasil quanto mais a terra.

Obviamente que o papel da imprensa é bem vindo quanto tenta esclarecer a sociedade sobre os privilégios e absurdos que nossa classe política faz com nosso dinheiro público, assim como deva fazer também sobre o judiciário e tantos outros setores que também seus membros gozam de privilégios absurdos. No caso da publicação de matéria pelo G1 RN e pela Inter TV Cabugi sobre o gasto de combustíveis dos deputados estaduais do RN referente ao ano de 2017 o sistema globo cita que todos os recursos gasto por todos os 24 deputados daria para dar 48 voltas a terra.

Se olharmos a maioria dos parlamentares obviamente a sociedade dirá que isso é um absurdo. Já havia dito em outro comentário que não falaria dos outros porque não conheço a fundo o trabalho da maioria. Mas por outro lado é fato notório da maioria da sociedade norte rio-grandense que a maioria deles só são vistos pelo interior quando vem aos finais de semana para suas fazendas, quando vem visitar uma liderança importante, prefeitos, vereadores e etc.

Ou ainda quando é para inaugurar uma obra de emendas parlamentares deles mesmos repassadas pelo governo do estado ou quando um deputado federal ou senador aliado também repassa ao prefeitos e prefeitas via governo federal. Ou ainda quando está no período eleitoral quando mais uma vez voltam para fazerem seus inflamáveis discursos nos palanques eleitorais para mais uma vez embelezar as lideranças e o eleitorado local e assim pelas práticas que já sabemos cooptarem os votos e se reelegerem em sua grande maioria.

Aliás, o G1 RN e o sistema globo deveria fazer esse levantamento nesse ano de 2018 porque acho que esse total de voltas a terra vai duplicar ou triplicar.

Mas, em minha opinião é preciso separar o jôio do trigo. O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) aparece em segundo lugar em gasto, segundo as matérias. Aqui passaremos a citar alguns exemplos do que representa a diferença de um mandato popular do que já relatamos anteriormente.

Um mandato popular com raízes das classes populares ou da classe trabalhadora e ligado ao seguimento popular, a exemplo, de Mineiro, da senadora Fátima Bezerra e tantos outros e outras lideranças populares que ainda não tem mandato justificam-se em minha opinião os gastos citados com combustíveis para dar tantas voltas queiram ao RN quanto mais ao Brasil e antes fosse ao mundo (Terra).

Pegando, por exemplo, o mandato do deputado estadual Fernando Mineiro, tem sido notório o seu combate a todas as pautas de destruição da classe trabalhadora e popular por parte do governo Temer e agora pelo Governo do Estado do RN liderado pelo governador Robson Faria. Essas posições são defendidas e debatidas juntamente com a sociedade norte rio-grandense desde o ano passado e não porque não dizer desde o inicio do golpe com a queda da presidenta Dilma.

Ano passado, por exemplo, o Movimento Sindical Rural e Urbano realizam vários movimentos, ocupações de INSS, debates com a sociedade, mais de 120 audiências públicas nas Câmaras de Vereadores, Assembleias, reuniões em fim foi realizado um amplo debate com a sociedade sobre as reformas do governo Temer e seus efeitos devastadores para a classe trabalhadora e as classes populares. Ainda podemos citar a luta pela transposição das águas do São Francisco para o RN, o debate sobre o ataque as políticas públicas e sociais, exemplo, as políticas para a agricultura familiar que esse ano teve um corte drástico no orçamento, prejudicando assim o atendimento dos agricultores em programas como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Assistência Técnica e Extensão Rural, Programa de Educação na Reforma Agrária (PRONERA) e tantos outros.

Pois bem, na maioria desses debates seja em qualquer lugar do RN em que seja chamado o deputado Mineiro ou seus assessores estão lá. E é ai que digo que temos que separar o jôio do trigo, porque não é papel do deputado fazer o que já citei anteriormente e sim ajudar a esclarecer a sociedade sobre seus direitos, debater ideias, socializar pensamentos, participar e apoiar moralmente as reivindicações da sociedade e encaminhar propostas que dialogue com as pautas apresentadas.

Eu, por exemplo, estive em muitos momentos desses e ajudei a levar muitos companheiros de Jandaíra e da região do Mato Grande para participar. Assim como também estive participando conjuntamente em outras regiões do estado, a exemplo, de Janduís e tantos outros municípios onde encontramos o deputado fazendo o debate político e não inaugurando obras, tomando cachaça nas fazendas dos amigos, cabos eleitorais ou tudo que já citei pra não ser repetitivo.

É exatamente isso que parlamentares iguais a Mineiro fazem pelo RN e por isso repito, em minha opinião a quantia anunciada pelo sistema globo no RN atribuída a Mineiro nesses aspectos em comparação com a maioria dos demais parlamentares se justificaria não somente tantas voltas ao RN, mas ao Brasil e antes fosse ao mundo. Ai sim, teríamos cada vez mais uma sociedade e um eleitorado mais esclarecido do verdadeiro papel que devemos ter nas eleições e assim escolher melhor nossos representantes e sendo assim eu acredito que teríamos menos tudo quanto é ruim que vivemos hoje.

Jocelino Dantas Batista

Coordenador do Pólo Sindical do Mato Grande ligado a FETARN.

A derrota política do governo estadual

As propostas do governo do estado foram derrotadas na Assembleia Legislativa na sua maioria, não resistiu ao debate público, às intervenções dos Deputados, as mobilizações dos servidores e de suas entidades profissionais e dos movimentos sociais, aos questionamentos da mídia, embora de alguns de forma relativamente tímida, no entanto, tomaram a pauta de muitos programas jornalísticos.

Dos Deputados Estaduais, a atuação de Fernando Mineiro foi robusta e destacada, tanto no âmbito da Assembleia, como também, na participação dos debates com o meio jornalístico, com denúncias junto do Tribunal de Contas do Estado em relação ao saque do FUNFIRN, do pedido de informações dos beneficiários das dívidas com os Bancos Estaduais – BANDERN e BDRN.

No meio sindical, o SINSP com a sua presidente realizou ampla mobilização, bastante aguerrida, utilizou também, os espaços da mídia, fez o debate, e para alguns exagerou no embate das mobilizações, mesmo assim, a categoria dos servidores, pela não aprovação do fim das gratificações, incorporados em anos de luta, que beneficiam os servidores públicos com justiça social, foi até aqui vitoriosa.

O Governador do Estado deve reunir a sua equipe e reavaliar o projeto RN urgente, mudar de eixo, e se debruçar na equação de como arrecadar mais, como gerar postos de trabalho e emprego, junto com as classes empresarias tentar uma política de atração da indústria, entrar com mais força no turismo, uma vez que, conta com uma unanimidade em torno do Secretário do Turismo, que é do ramo.

A aliança com o Presidente da República parece que é infrutífera, depois que foi eleito sob a batuta de Lula e Dilma, na primeira oportunidade se juntou a turma do impeachment e apoiou todas as proposituras do Governo Federal, o congelamento dos investimentos na seguridade, na Reforma Trabalhista, e outras mais, e de nada substancial conseguiu trazer para o Estado, a não ser a presença da guarda nacional e das Forças Armadas, faltando apenas, uma exibição da esquadrilha da fumaça.

Uma das maiores derrotas na Assembleia foi a questão dos repasses para os demais poderes, e passar a entender, que os recursos não pertencem exclusivamente ao Poder Executivo, mesmo cabendo a este, o dever de arrecadar os tributos, pois nesta seara, caso haja tentativas de obstruir o exercício dos demais poderes, fugindo a plenitude da legalidade, pode lhe custar demandas judiciais completamente indesejadas.

A crise é profunda como revela os atrasos de pagamento dos servidores e beneficiários da previdência estadual, mesmo fazendo um “mea culpa” tardio, o momento é de recomposição das forças políticas, para a construção de um pacto pela continuidade administrativa, devendo desde já para possibilitar à governança a retirada da sua candidatura à reeleição, a fim de dar credibilidade, em face do difícil momento que envolve o  político e às finanças públicas.

Evandro Borges
Advogado

DEPOIS DO VEXAME INTERNACIONAL, TRF1 DEVOLVE PASSAPORTE A LULA


O juiz federal Bruno Apolinário, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), derrubou nesta sexta-feira (2) decisão da semana passada que mandou recolher o passaporte do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o proibiu de viajar ao exterior; a decisão foi tomada após um vexame internacional do Brasil, que impediu Lula, maior referência internacional no combate à fome, de participar de um congresso da FAO, órgão de segurança alimentar das Nações Unidas, na Etiópia; decisão de primeira instância apequenou o Brasil e causou indignação entre os integrantes da FAO.

O juiz federal Bruno Apolinário, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), derrubou nesta sexta-feira (2) decisão da semana passada que mandou recolher o passaporte do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o proibiu de viajar ao exterior.

A decisão foi tomada após um vexame internacional do Brasil, que impediu Lula, maior referência internacional no combate à fome, de participar de um congresso da FAO, órgão de segurança alimentar das Nações Unidas, na Etiópia.

Com a decisão, Lula poderá ter o documento de volta e deixará a lista do Sistema Nacional de Procurados e Impedidos da Polícia Federal, ficando liberado novamente para sair do Brasil.

Brasil 247

Moro diz que pegou auxílio-moradia para compensar falta de aumento salarial


Juiz Sérgio Moro tentou justificar nesta sexta-feira, 2, a informação de que recebe R$ 4.378 de auxílio-moradia, mesmo sendo proprietário de um apartamento a 3 km do prédio da Justiça Federal em Curitiba; "O auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1 de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados", afirmou o juiz; com o auxílio-moradia e os demais penduricalhos, o salário de Sergio Moro ultrapassa o teto do funcionalismo público.

O juiz federal Sérgio Moro tentou justificar nesta sexta-feira, 2, a informação de que recebe R$ 4.378 de auxílio-moradia, mesmo sendo proprietário de um apartamento em Curitiba. 

"O auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1 de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados", afirmou Moro, confirmando as críticas de que o auxílio-moradia é na verdade salário disfarçado. 

Como dono de imóvel na capital paranaense, Moro fez uso de decisão liminar de setembro de 2014, do ministro Luiz Fux para passar a receber auxílio-moradia. Moro começou a receber o auxílio-moradia em outubro de 2014. Acrescentado o auxílio-alimentação de R$ 884, as indenizações totalizam R$ 5.262 por mês.

Com salário-base de R$ 28.948, sua remuneração bruta chega a R$ 34.210, se somados os benefícios —acima do teto, portanto.

Assim com o juiz Marcelo Bretas, que, junto com a esposa, também juíza, acumula dois auxílios-moradia mesmo tendo casa própria, Moro tem sido alvo de críticas pela "imoralidade" do benefício. 

O deputado Carlos Zarattini (SP) pediu ao procurador Deltan Dallagnol que investigue a compra do imóvel pelo magistrado. De acordo com o parlamentar, Moro declarou abaixo seu apartamento do valor de mercado. "Moro comprou um ap de 256m2 pelo preço de um Minha Casa Minha Vida faixa 2. Vamos investigar Dallagnol???", questionou; em junho de 2002, o juiz federal do TRF-4 Márcio Antonio Rocha vendeu o apartamento para Moro por R$ 173 mil (leia mais).

Brasil 247

Coordenador do Pólo Sindical do Mato Grande debate reforma da previdência e condenação de LULA em FM de João Câmara

O Coordenador do Pólo Sindical da FETARN no Mato Grande, Jocelino Dantas, esteve participando nesta quinta feira, primeiro de fevereiro do Programa de Rádio A Voz do Trabalhador Rural, pela a 89 FM. O programa é de responsabilidade do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de João Câmara e na oportunidade foi realizado um amplo debate sobre a famigerada reforma da previdência e as mentiras do governo Temer na tentativa de aprova-la neste mês de fevereiro na câmara.

No momento também foi realizado um debate sobre o que tem por trás da condenação de LULA, a defesa da democracia e o direito do mesmo ser candidato. O programa é apresentado por Cosme de Souza e estavam presentes o presidente do Sindicato José André, o tesoureiro e ex-presidente e suplente de vereador Francisco Matias (RENDA), José Wellington, diretor do Sindicato e Francisco liderança comunitária. "O governo mandou fazer pesquisa falsa para tentar enganar a sociedade e os deputados, mas quem votar do RN tenham certeza não voltam", afirmou Jocelino durante o programa. 

RENDA listou os 08 deputados do RN e a quantidade de votos que cada um teve e lembrou que agora os trabalhadores rurais só querem um voto de cada um contra e reafirmou ainda que votou em Valter Alves, mas se ele votar a favou não vota mais nele nem o apoiará nessa próxima eleição.